quarta-feira, novembro 25, 2020
Início Justiça Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento: visão integral sobre a infância

Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento: visão integral sobre a infância

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) lançou o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA), que integrou e substituiu os cadastros nacionais de Adoção (CNA) e de Crianças Acolhidas (CNCA). No evento, o CNJ também apresentou cronograma de capacitação dos 27 tribunais de Justiça estaduais para a utilização do sistema, que deve passar a operar em todo o país a partir de outubro.

A integração seguiu as medidas de aprimoramento e racionalização dos sistemas e cadastros do CNJ promovidas pelo Comitê Gestor dos Cadastros Nacionais (CGCN). Instituído pela Portaria Conjunta CNJ n. 4/2019, o Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento (SNA) traz uma visão integral do processo da criança e adolescente desde sua entrada no sistema de proteção até a sua saída, quer seja pela adoção que seja pela reintegração familiar. O objetivo é evitar o trabalho desnecessário de servidores e juízes que fazem a alimentação dos cadastros, além de trazer funcionalidades inéditas.

Segundo o presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Dias Toffoli, os maiores beneficiários do novo sistema serão as crianças e adolescentes em abrigos, que aguardam retorno ao convívio da família ou adoção. “O Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento prestará auxílio na reintegração familiar das crianças e adolescentes acolhidos que não estão aptos para adoção e que correspondem a aproximadamente 90% do número total, distribuídos em 4.560 serviços pelo Brasil. Além disso, contribuirá para otimizar a adoção de 4.900 crianças aptas e que permanecem acolhidas, apesar da existência de 42 mil pretendentes habilitados no cadastro”, afirmou o ministro, citando dados colhidos no último dia 9/8, do agora extinto Cadastro Nacional de Crianças Acolhidas.

Em junho, uma versão piloto do sistema começou a funcionar em alguns tribunais de Justiça (TJs). Atualmente, o SNA opera nas cortes do Espírito Santo (TJES), São Paulo (TJSP), Alagoas (TJAL), Bahia (TJBA) e Paraná (TJPR). A partir desta quinta-feira (15/8), outros três tribunais de Justiça – Goiás (TJGO), Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) e Roraima (TJRR) – migrarão suas bases de dados para o SNA. Até 12 de outubro, data de início do funcionamento pleno do SNA, de acordo com o ministro Dias Toffoli, ocorrerão treinamentos de pessoal e implantação nas demais cortes da Justiça Estadual.

Alertas para adoção
Idealizado pela Corregedoria Nacional de Justiça, em parceria com o Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), o SNA funciona com emissão de alertas em caso de demora no cumprimento de prazos processuais referentes a crianças e adolescentes inseridos no sistema para o próprio magistrado e também para as Corregedorias Estaduais e as Coordenadorias de Infância e Juventude.

Em funcionamento desde 2008 no TJES, o Sistema de Informação e Gerência da Adoção e Acolhimento do Estado do Espírito Santo (SIGA/ES) já possibilitou a adoção de 5.815 crianças e adolescentes foram reintegradas a seus pais, 3.203 foram adotadas e 1.357 foram entregues em guarda a familiares ou terceiros. “Portanto, 73,4% das crianças e adolescentes que passaram pelo SIGA tiveram garantidos a convivência familiar, seja pelo retorno ao lar de origem, adoção ou guarda com e sem fim de adoção. Por se tratar de ferramenta simples e eficaz, que oferece visibilidade, agilidade e transparência, os procedimentos necessários para a definição jurídica das crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade ou risco, o SIGA serviu de base para o novo SNA”, afirmou o presidente do TJES, desembargador Sérgio Teixeira Gama.

Uma das principais novas funcionalidades do sistema é a automatização da busca de pretendentes para as crianças aptas para adoção. Todas as noites, o sistema fará a busca automática, com o objetivo de vincular uma criança ao primeiro pretendente encontrado, dentro da ordem de preferência prevista pelo Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

O SNA também possibilita uma maior participação dos pretendentes, que podem realizar pré-cadastros online e acompanhar suas habilitações, em uma página exclusiva para pretendentes. O sistema também envia e-mails se houver qualquer necessidade de modificação no cadastro, como uma vinculação ou uma renovação.

De acordo com o desembargador vice-coordenador da Infância e da Juventude do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), Reinaldo Cintra, as novas funcionalidades do sistema deverão atender a anseios de grande parte dos juízes da área. A atualização dos contatos de quem pleiteia uma adoção, por exemplo, cria uma relação de “corresponsabilidade” entre Justiça e pretendentes para impedir que a busca por pretendentes se torne um martírio para servidores das varas de infância, devido à falta de dados atualizados de contato.

“Acredito que o sistema fazendo uma busca automática, durante o período noturno, das crianças que são incluídas no sistema e dos pretendentes constantes do sistema vai agilizar e facilitar muito o trabalho do setor técnico de localizar uma pessoa que possa receber aquela criança. Antigamente um servidor ficava dias no telefone ligando para as pessoas. É uma grande ferramenta. Vai otimizar o trabalho – e muito”, disse o desembargador Cintra.

A falta de dados atualizados impediu que um casal adotasse um bebê ontem (14/8), em Maceió, de acordo com a juíza da 28ª Vara Cível da Capital Infância e Juventude, Fátima Pirauá. “O primeiro casal para quem ligamos não atendeu. Deve ter mudado de número e não comunicou à vara. Perderam uma chance enorme de adotar, depois de passar quatro anos na fila”, disse a magistrada.

A área exclusiva a que terão acesso os pretendentes à adoção no site do SNA atende a outra necessidade específica de quem inicia o processo de adoção: transparência. “Como essa transparência até hoje não era possível, muitos pretendentes culpavam a burocracia por não conseguir adotar ou o próprio juiz, que daria preferência a outros casais, por exemplo. Agora eles vão poder ver a posição que ocupam na ‘fila’. Verão também que não se trata bem de uma fila, uma vez que demora em adotar tem relação muito estreita com o perfil da criança que se deseja adotar. ”, afirmou a magistrada.

O secretário Especial de Programas, Pesquisas e Gestão Estratégica do CNJ, juiz Richard Pae Kim, reconheceu a participação de todos os conselheiros do CNJ, magistrados, servidores e técnicos do Poder Judiciário que atuaram para a concretização do novo SNA, para fazer valer o compromisso da atual gestão com a prioridade absoluta à infância e juventude, princípio estabelecido na Constituição Federal. “Cuida-se de novo instrumento com foco em nossas crianças e adolescentes e que necessitam de um futuro melhor. Temos certeza de que todo esse esforço valerá a pena”, disse o magistrado.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, deu início ao processo de revisão dos cadastros Nacionais de Adoção (CNA) e de Crianças Acolhidas (CNCA) em 2016, quando era corregedor Nacional de Justiça. Na solenidade de lançamento do SNA, Noronha destacou a continuidade administrativa que permitiu materializar o SNA. “Ministro Dias Toffoli, vossa excelência merece hoje todos os elogios e a gratidão da criança brasileira, que será adotada ou acolhida, pela determinação e pela sensibilidade de constatar nesse projeto a sua grande utilidade social”, afirmou o ministro.

O atual corregedor Nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, destacou os direitos das crianças e adolescentes que é dever de família, sociedade e estado assegurar, de acordo com a Constituição. “Como prescreve o artigo 227 da Carta Maior Cidadã e como também prescreve a Emenda Constitucional 65, de 2010, é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão. Diz a nossa Carta Maior”, disse o ministro.

O próximo passo, que deve ser implementado em 2020, será transformar o sistema em um microsserviço do Processo Judicial Eletrônico (PJe), contando ainda com novas funcionalidades, como upload de arquivos e a possibilidade de cruzamento de dados processuais existentes no PJe.

Manuel Carlos Montenegro
Lenir Camimura Herculano
Agência CNJ de Notícias

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Most Popular

Saúde incorpora remédio para o tratamento da esclerose ao SUS

Os pacientes que sofrem de esclerose múltipla ganham mais um aliado no combate à doença. O Ministério da Saúde ampliou o uso...

Papai Noel dos Correios será digital este ano

ONatal se aproxima e, com a chegada dele, também tem início uma das campanhas de solidariedade mais queridas do Brasil: o Papai...

Aplicativo facilitará a declaração da água utilizada

Para simplificar a vida dos usuários de recursos hídricos na hora de declarar o volume de água que utilizam, a Agência Nacional...

Expansão do Bolsa Família beneficiará cerca de 3 milhões de pessoas

O Banco Mundial aprovou empréstimo de R$ 5,73 bilhões para ajudar a garantir a expansão do Programa Bolsa Família. A medida integra...

Recent Comments

John Doe on TieLabs White T-shirt